sábado, 8 de março de 2014

“Militares mendigam restos e refeições”


Ex-Combatente no Ultramar
Numa carta entregue ao princípio da tarde de ontem ao Tribunal Constitucional (TC), as associações de oficiais, sargentos e praças das Forças Armadas traçam um quadro negro da actual situação militar. “Limitamo-nos a ter presentes situações, inimagináveis há apenas alguns anos, em que militares têm de mendigar os restos das refeições servidas nas suas unidades para conseguirem alimentar os seus”, alertam.
Esta iniciativa conjunta da AOFA (Associação de Ofi ciais das Forças Armadas) e das associações de sargentos (ANS) e praças (AP) junto do TC tem como único objectivo informar aquele órgão, já que as organizações de cidadãos ou os cidadãos individualmente não podem submeter pedidos de verifi cação de constitucionalidade aos juízes-conselheiros do Constitucional.
Este envio insere-se na denominada iniciativa pública decidida para o corrente ano pelas três associações profissionais sob o lema “2014: o ano em que exprimir a indignação já não é sufi ciente”.
Mas o que está em causa, no quarto no consecutivo de austeridade, são as medidas previstas no Orçamento do Estado para 2014 em relação às Forças Armadas: da redução de remunerações às promoções, da situação dos militares em regime de voluntariado e contrato, passando pela redução de efectivos, degradação da associação social complementar ou a extinção do fundo de pensões.
São referidas, ainda, situações de dupla e tripla tributação aos militares na reforma, devido à contribuição extraordinária de solidariedade e ao Orçamento rectificativo, e o corte nas pensões de sobrevivência das viúvas. As alterações à assistência à doença e regras do suplemento de residência constam, também, das queixas das associações ao TC.
Para além do recurso às sobras alimentares, a AOFA, ANS e a AP revelam que, por falta de meios para se deslocarem, militares longe da sua residência não prestam apoio presencial às famílias e admitem situações de insolvência.
Resolvemos dar a conhecer ao Tribunal Constitucional algumas das muitas situações em concreto, não duvidando de que elas serão decisivas para formular os juízos que se impõem”, conclui a missiva.
(Artigo do Jornal O PÚBLICO de hoje)
...

Dou comigo a pensar: - "Estes 'gajos' estão cobertos de razão... mas a razão não põe pão na mesa!" As 'guerras' que foi necessário travar para conseguir consensos nas intermináveis sessões acontecidas em Pedrouços, nos Altos Estudos Militares, durante o PREC... sabendo-se de antemão que tudo o que fosse conseguido seria como areia da praia que se esvai entre os nossos dedos, aproveitando a mais pequena distração para desaparecer de todo.
A 'Tropa' tinha o 'Casão'? Acabe-se com o 'Casão', porque é um benefício não acessível ao comum do Povo! Não interessa se era mais caro ou mais barato: 'BENEFÍCIOS À 'TROPA' NÃO! COMPREM NAS COOPERATIVAS DE CONSUMO GERIDAS PELO POVO, PORQUE SOLDADOS E MARINHEIROS SEMPRE...' e era esta a porcaria da lenga lenga do costume!
A 'Tropa' tem os Serviços Sociais? A Cooperativa Militar? Os Hospitais Militares? Acabe-se com isso, porque 'eles' ganham bem e até têm colégios topo de gama para os filhinhos estudarem à conta do Povo - a voz do Povo costumava ser a voz da Razão... -, se bem que pagam com o 'couro e cabelo' o privilégio que lhes é concedido de terem os filhos entregues a quem tome conta deles, enquanto vão trabalhando esforçadamente para que os filhos possam estudar.
A 'Tropa' era, é e será sempre motivo de reserva mental por parte do Povo, porque é um perigo ter-se 'gentes' que honram a Bandeira e juram perante ela SERVIR A PÁTRIA e não SERVIR-SE DA PÁTRIA! A 'Tropa' é uma gente que não tem 'pouso fixo', e servir nas Forças Armadas é estar 'À MAIS PEQUENA SOLICITAÇÃO' (Ex Mero Motu - lema da FAP), 'ONDE NECESSÁRIO... QUANDO NECESSÁRIO' - (lema dos ex-TAM)', 'EM PERIGOS E GUERRAS ESFORÇADOS'- (lema do Exército), porque 'A PÁTRIA HONRAI QUE A PÁTRIA VOS CONTEMPLA' - (lema da Armada), está gravado no peito dos que honram o seu compromisso de honra.
Mas hoje... que espera o Povo das Forças Armadas? Estas não fazem ataques à democracia subvertendo as leis da República. Não têm Sindicatos a manobrar as consciências de cada um, porque esta é formada pelo carácter e sentido do dever cumprido, sem confrontos com os outros quando não vêem cumpridos os seus desejos. As Forças Armadas são o Povo armado... mas consciente!

Resta saber... até quando podemos dizer isto?

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

MAIS UMA CARTA ÀS CHEFIAS, VISANDO O GOVERNO:



 Mais uma facada nas Forças Armadas, dada pelo PM mais sinistro dos últimos tempos, que gosta de se mostrar valente para quem não pode retaliar: os reformados e deficientes!!

 
To: gabcemgfa@emgfa.pt ; gabceme.chefegab@mail.exercito.pt ; gabcema@marinha.pt ; CEMFA ; CEMFA GAB
 'Continuam por parte dos membros de governo as atitudes de desconsideração , tentativa de humilhação e divisão com os Portugueses!
O último episódio aconteceu com a argumentação do Primeiro Ministro relativamente à Associação dos Deficientes da Forças Armadas, declarando que havia que utilizar outros meios de financiamento da Associação!
Talvez descobrir uns mecenas, digo eu!
Claro que tais declarações foram feitas com intenção, atirando mais uma acha para atingir as Forças Armadas, considerando este financiamento como mais uma “regalia” das Forças Armadas que tem de ser abolida!
É preciso ter lata, quando um Primeiro Ministro que não teve a coragem de acabar com os financiamentos das 350 Institutos e 299 observatórios, a maioria dos quais nem se sabe o que fazem, mas todos eles dirigidos por conselhos de administração com vencimentos entre 5000 e 14000 Euros, vem agora declarar que o financiamento da ADFA até é uma regalia !!!
Este PM, que nunca foi soldado, nunca arriscou a vida por Portugal e, portanto não foi ferido em combate, nem ficou com limitações para toda a vida, não sabe que é obrigação de um Estado decente, proteger e cuidar dos seus Deficientes das Forças Armadas e dignificar os Militares mortos em combate?
Não é de estranhar tais atitude pois este é o mesmo PM que quando visitou Moçambique honrou os combatentes da Frelimo mortos nos combates com as nossas Forças Armadas e nem sequer visitou o cemitério onde se foram sepultados vários Militares nossos mortos em combate!!

 Como Militar na Reforma, não percebo por que razão os Chefes Militares não reagiram a mais estas afrontas!
Como eu, muitos pensam que está na hora, de desafrontar as Forças Armadas e de os Chefes Militares  mostrar que sabem ser Generais a sério e que também sabem ser líderes!
Que tal um pedido de audiência ao Comandante Chefe e ao PM, para lhes dizerem apenas que chega de tentativas de enxovalho e desconsideração contra as Forças Armadas e os seus Mortos e Deficientes por parte do Governo!
Apenas dizer isto e nada mais!
E entregar a Suas Excelência a lista das razões pelas quais as Forças Armadas têm razões para acreditar que Portugal está em sérios riscos de ser destruído!
Há que dizer que as Forças Armadas também estão muito incomodadas com a falta de coragem para suspender o financiamento dos Institutos e Observatórios, a falta de resultados na luta contra a corrupção, a destruição do SNS e das escolas e universidades públicas, a falta de coragem para reduzir para juros razoáveis o que se está a pagar para as PPPs e as SWAPs, o dinheiro que o Estado está a investir para salvar o Bancos, dinheiro esse que os mesmos Bancos investem em obrigações do Estado e o corte  em meios materiais e humanos na Justiça e na Polícia Judiciária ao mesmo tempo que reforçam as capacidades de investigaçõo da PSP e da GNR!
E acima de tudo, a destruição de milhares de famílias que passaram a viver em profunda pobreza! 

José Alberto Morais da Silva'
....

Custa acreditar que um Ministro que se preze seja capaz de deitar por terra as Forças Armadas do seu País, como acontece em Portugal! Vemos a forma como os antigos Combatentes são acarinhados noutros Países, como lhes é concedida dignidade para viver, especialmente aqueles que a sorte das armas levou a que ficassem diminuídos nas suas capacidades físicas! Em Portugal... quantas são as infraestruturas criadas foram pensadas quanto às acessibilidades para os deficientes?
Angustia saber que os nossos governantes (?) estão absolutamente distanciados dos problemas dos Portugueses, não só os deficientes, velhos e doentes, crianças e cidadãos em geral! Quando se 'dá' uma esmola às Forças de Segurança (GNR e PSP) como 'Subsídio de Fardamento' e se esquecem que também os Militares têm obrigatoriedade de se apresentarem devidamente fardados e ataviados, conforme os Regulamentos, além de que estes também estão sujeitos a serviços de 24 horas... sem que lhes seja concedido subsídio por Serviço Extraordinário... estamos conversados!
Quem fez o 25 de Abril, 40 anos atrás, foi motivado pelo final da guerra, por parte de uns, mas também por cobardia e subserviências a ideais não consentâneos com a condição de Militares, como aconteceu com outros! Na altura utilizou-se a razão da força, mas hoje há a força da razão e empurrar os Militares de espinha direita, os que sentem a sua Pátria,  que juraram defender e honrar, a partirem para situações que levem à defesa dos seus direitos inalienáveis à dignidade, à saúde, à justa remuneração, à progressão na carreira que um dia escolheram para a sua vida, pois  o aprendiz aspira poder vir a ser mestre na oficina onde aprendeu o ofício!

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

MILITARES... NA UNIÃO A VITÓRIA!


MARCHA CÍVICA E DISCIPLINADA DE EX. COMBATENTES

CAROS CAMARADAS EX. COMBATENTES DE TODAS AS ARMAS.

DIA 01- 03 -14 PELAS 14H30, CONCENTRAÇÃO NO MARQUÊS DE POMBAL, PARA EXECUTAR-MOS UMA MARCHA CÍVICA DE PROTESTO E INDIGNAÇÃO, CONTRA AS CONDIÇÕES A QUE TEMOS SIDO VOTADOS COMO EX. COMBATENTES E QUE NOS ESTÃO A SER NEGADAS, DESDE O 25 DE ABRIL, POR TODOS OS PRESIDENTES DA REPUBLICA,TODOS OS GOVERNOS, TODOS OS PARTIDOS POLÍTICOS, TODOS OS DEPUTADOS DAS ASSEMBLEIAS DA REPUBLICA E TODAS AS PATENTES MILITARES DO QUADRO. 
ALGUMAS DESSAS CONDIÇÕES, JÁ ESTÃO CONSIGNADAS NA LEI, MAS MESMO ASSIM, TODOS OS GOVERNOS DESDE O 25 DE ABRIL ATÉ AGORA, TÊM IGNORADO AS LEIS E O NOSSO ESTATUTO DE EX. COMBATENTES DE PORTUGAL, COM DIREITOS E DEVERES.
TÊM-NOS NEGADO OS NOSSOS DIREITOS , COMO HERÓIS E MÁRTIRES NACIONAIS.
NÓS SOLDADOS TEMOS SIDO VOTADOS AO COMPLETO ABANDONO,ESQUECIMENTO E DESPRESO,ONDE SE INCLUEM TODOS AQUELES QUE DERAM AS SUAS VIDAS, EM COMBATE E ESTÃO SEPULTADOS, LONGE DAS FAMÍLIAS, ESTANDO AS SUAS CAMPAS, NO MAIS COMPLETO ABANDONO, COBERTAS APENAS POR CAPIM ALTO, QUANDO É DEVER DO ESTADO, ENTREGAR OS SEUS CORPOS ÁS SUAS FAMÍLIAS.
TODOS AQUELES QUE CONTRAÍRAM DOENÇAS INCAPACITANTES QUE NÃO SABIAM QUE TINHAM, TODOS AQUELES QUE VIERAM EXTROPIADOS DE MEMBROS OU OUTROS FERIMENTOS MUITO GRAVES. 
ALGUNS DOS NOSSOS CAMARADAS, ESTÃO A MORRER EM IDADES PREMATURAS TODOS OS DIAS, POR VIVEREM NAS RUAS,COMO SEM ABRIGO E SEM EMPREGO, POR SEREM COMPLETAMENTE EXCLUÍDOS PELA SOCIEDADE, FAMÍLIA E AMIGOS QUE NÃO CONHECEM, OU NÃO COMPREENDEM, AS SUAS DOENÇAS E SÓ LHES DEIXAM COMO ALTERNATIVA, A MORTE SUBITA NA RUA, A MISÉRIA FÍSICA E MORAL, ATIRANDO-NOS PARA A RUA E COMO ALTERNATIVA, COMER NOS CAIXOTES DO LIXO. 
MUITOS ESTÃO MORRENDO AO LADO DELES PORQUE O ESTADO SE NEGA A RECONHECER O ESTATUTO DO COMBATENTE,A RECONHECER AS DOENÇAS INCAPACITANTES, CONTRAÍDAS EM COMBATE, A TRATA-LAS,COMO É A SUA OBRIGAÇÃO,POR TEREM SIDO CONTRAÍDAS AO SERVIÇO E DEFESA DA PÁTRIA, NAS GUERRAS EM QUE TEMOS INTERVIDO POR IMPOSIÇÃO DOS POLÍTICOS.
QUEM PLANEIA E DETERMINA AS GUERRAS SÃO OS POLÍTICOS, QUEM AS FAZ E SOFRE AS CONSEQUENCIAS SÃO OS MILITARES, SOBRETUDO OS SOLDADOS.
EM TODOS OS PAÍSES CIVILIZADOS, OS SEUS COMBATENTES , HERÓIS E MÁRTIRES, SÃO RECONHECIDOS E APOIADOS PELOS GOVERNOS.
UM PAÍS QUE NÃO RECONHECE OS SEUS HERÓIS E MÁRTIRES É UM PAÍS SEM HISTÓRIA É UM PAIS MORTO.
PARA EXIGIR-MOS O QUE TEMOS DIREITO, MAS NOS TEM SIDO SISTEMATICAMENTE NEGADO, VAMOS TODOS MARCHAR DO MARQUÊS DE POMBAL, COM PARTIDA PREVISTA PARA AS 15H00 ATÉ AO ROSSIO, ONDE HAVERÁ UMA PEQUENA PALESTRA AO AR LIVRE EXPLICATIVA, DOS DIREITOS QUE NOS ESTÃO A TIRAR Á CERCA DE QUARENTA ANOS E QUE EXIGIMOS NOS SEJAM REPOSTOS IMEDIATAMENTE.

NÃO FALTES PASSA A PALAVRA A OUTROS COMBATENTES, NÃO TE ESQUEÇAS DE LEVAR A TUA BOINA, ESTANDARTE MILITAR E AS TUAS MEDALHAS.

NESTA MARCHA NÃO SERÁ PERMITIDA A COLAGEM POLÍTICA OU SINDICAL DE NINGUÉM.
SE EXISTIR INTENÇÃO DE COLAGENS, POLITICO-PARTIDÁRIAS, OU SINDICAIS, SERÃO IMEDIATAMENTE CONVIDADOS A SAIR DALI PORQUE SÃO "PERSONAS NON GRATAS", NEM PERMITIDA A SUA PRESENÇA EM DEFESA DAS SUAS IDEOLOGIAS. 

VAMOS FAZER DESTA MARCHA UMA MARCHA DE LUTA E DE INFORMAÇÃO.

domingo, 2 de fevereiro de 2014

HOSPITAL DAS 'FORCAS' ARMADAS...


...E QUE SÍTIO FOI ESCOLHIDO PARA ARMAR ESSAS 'FORCAS': A NOSSA MENINA DOS OLHOS, QUE É O MESMO QUE DIZER: NO HOSPITAL DA FORÇA AÉREA, QUE UM DIA VIMOS ERGUER-SE E PASSAR A SER O NOSSO ORGULHO!
VIMOS LÁ FAZER OBRAS, VALAS QUE SE ABRIAM PARA PASSAR CABLAGEM PARA TORNAR POSSÍVEL TER-SE UMA 'IMAGIOLOGIA' A OMBREAR COM O QUE DE MELHOR SE PODERIA DESEJAR NOS EXAMES RADIOLÓGICOS!
 LENTA, MAS PROGRESSIVAMENTE, O NOSSO HOSPITAL TORNOU-SE, DE CERTO MODO, UM LEGADO DE RECONHECIMENTO PELO TRABALHO QUE O PESSOAL DA FAP DESENVOLVEU AO LONGO DE UMA VIDA, TORNANDO-SE MERECEDOR  DE TAL MIMO!
 COMO HÁ SEMPRE UM PONTO DE RUPTURA EM TUDO O QUE É DESTINADO AO BEM ESTAR DAS PESSOAS, SUSCITANDO-SE  VÁRIAS TEORIAS QUE VÃO DA INVEJA ATÉ AO NÃO RECONHECIMENTO DO DIREITO A SER-SE FELIZ NAS COISAS QUE NOS ESTÃO DESTINADAS DESDE A SUA CONCEPÇÃO. 
O HOSPITAL DA FORÇA AÉREA ERA BOM DEMAIS PARA SER APENAS DA RAPAZIADA DO AR, DADO ATÉ OS 'MAIORAIS' DO PAÍS RECORREREM AOS  SERVIÇOS HOSPITALARES DA FAP QUANDO TINHAM ALGUM PERCALÇO. 
E ISSO FOI O FIM DO HOSPITAL DA FAP... QUE PASSOU A HOSPITAL DAS FORÇAS ARMADAS! AGORA É SÓ AUMENTAR A CAPACIDADE, PORQUE A ESTRELA JÁ TEM DONO E A RAPAZIADA PRECISA DE TER UM LOCAL ONDE SE TRATE!
 
 Foram necessários 16 quilos de explosivos para derrubar o  edifício C5 do Hospital das Forças Armadas, no Lumiar, que foi demolido ontem, Sábado 01 de Fevereiro. 
  HOUVE SÓ UM BOCADINHO DE BARULHO, QUE SE FEZ OUVIR ENQUANTO FOI SAINDO FUMO DO MEIO DO PÓ...

...FICANDO COM O ASPECTO QUE A FOTOGRAFIA NOS MOSTRA, ENQUANTO O EDIFÍCIO DO LADO AGUARDA A SUA VEZ, QUE NÃO TARDARÁ.
Para gáudio dos telespectadores, as televisões mostraram aqueles segundos fatídicos, que demoliram um edifício não muito antigo, com boa construção executada pelas 'Infras' da Força Aérea, onde haverá ainda Engenheiros e Fiscais de Obras que tiveram este Complexo do Lumiar em suas mãos... e agora o vão vendo desaparecer... pelo engenho de outras mãos!
Vai subsistindo o edifício da Messe e Alojamentos de Oficiais da Base do Lumiar... até quando?

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

PORQUE É NATAL...

REPICAM OS SINOS
 
Repicam os sinos, com fervor, nos campanários,
alvoraçados com a notícia que os seduz,
gritam aos povos e aos recantos mais solitários:
Nasceu Jesus! Nasceu Jesus! Nasceu Jesus!

Trazem a boa nova os Magos legendários
aqui trazidos pela estrela que conduz:
animais, pastores e anjos solidários,
porque reverenciam o Menino Rei da Luz!

O Menino Deus, feito homem por bondade,
doou-se -nos, livrando-nos de todo o mal,
e ensinou-nos que a maior felicidade
é ser fraterno, amando a todos por igual.

Enquanto houver alguém que viva essa verdade,
ao relembrar o nascimento divinal,
a voz dos sinos se ouvirá na Eternidade:
Feliz Natal! Feliz Natal! Feliz Natal!

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

25 DE NOVEMBRO SEMPRE...

 
No dia 25 de Novembro de 1975, no decorrer do PREC que se seguiu ao 25 de Abril, Portugal esteve  com as portas escancaradas a uma guerra civil, mercê  de um período de disputa pelo poder político-militar que abrangeu todo o Verão de 1975, quando  as forças ' democráticas' formadas pelo PS, PSD e CDS, na ala partidária, os moderados do  MFA, consubstanciados no Grupo dos Nove, e a Igreja Católica,  davam corpo ao desejo de estabelecimento de uma democracia do tipo europeu,  tendo como antagonistas as forças pró-comunistas, de que faziam parte o PCP, a UDP e outros grupelhos de extrema-esquerda, além da Esquerda Militar, que procuravam impor ao País um regime próximo do dos países comunistas, se enfrentaram em Lisboa.
Acabou o braço de ferro por ser ganho pelos moderados, reabrindo-se assim  o caminho para a democracia, mas a data, ou antes o  "quem foi quem e   fez o quê" nestes acontecimentos que levaram os radicais do MFA a aliciar a unidade pára-quedista de Tancos para marchar sobre a capital e as principais bases aéreas da FAP, é ainda hoje um  "mistério" e esse  "mistério" resume-se a uma pergunta: Foi, ou não, o PCP, com o apoio operacional da Esquerda Militar, a organização que avança para o confronto e porquê?
É que há dúvidas sobre a "incoerência" de um plano militar tão frágil, tão cheio de nada, como o que foi executado pelos revoltosos de Tancos. Politicamente... quais eram  as verdadeiras intenções e que acções desenvolveu o PCP nessa data. Poderia o PCP avançar para uma tentativa de mudança do poder político-militar utilizando um plano militar tão cheio de falhas? Quereria realmente fazer  um golpe militar, visando tomar o poder?
Seria o plano militar de quem comandava o 25 de Novembro realmente pobre de conteúdo? Não o podemos afirmar, porque qualquer aprendiz de militar verifica que uma acção de ocupação do Comando Operacional da Força Aérea e das  principais Bases Aéreas operacionais não poderá ser considerado um plano qualquer, reputando-o até como um plano inteligente e bem capaz de fazer o fiel da balança do poder pender para a esquerda pró-comunista, dado a principal força de actuação - o Exército - estar maioritariamente dominada pelos moderados,  para fazer  o desequilíbrio teriam de contar com os outros dois ramos das Forças Armadas - Marinha e Força Aérea -  podendo então impor ao Exército um realinhamento político-militar e impedir a eventual acção deste Ramo  para repor a ordem no País.  O tomar de assalto o comando da Força Aérea e as suas principais bases significava estar a subtrair ao Exército o seu principal apoio, ao mesmo tempo que seria  também uma forma de incitamento à  Marinha, em especial aos Fuzileiros,  para que tomassem uma posição  ao lado dos radicais.
Falhou alguma coisa neste plano militar? Falharam duas coisas muito importantes, sendo a primeira  o alinhamento do então comandante operacional do Copcon - QG operacional do MFA -, General Otelo Saraiva de Carvalho, ao lado dos Para-quedistas, principal 'arma' da Esquerda Militar.
Otelo sempre foi alguém com que o PCP mais voluntarista contou como aliado e comandante militar "independente" para o golpe. Só que ele foi para casa nessa madrugada, deixando os revoltosos sem um comando visível - razão do  ódio, que ainda hoje persiste, do PCP para com Otelo.
Por outro lado, falhou a acção do presidente da República, general Costa Gomes, que foi sinceramente contra a ideia de uma guerra civil, dando ordens de fidelidade hierárquica a unidades e cobertura aos militares moderados.
 

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

É FARTAR, VILANAGEM!!!


O PAÍS PORTUGAL ESTÁ DE LUTO! AS SUAS FORÇAS ARMADAS ESTÃO A SER MASSACRADAS PELA INCOMPETÊNCIA DE UM FULANO INEPTO, QUE NEM SABE O QUE É SER PORTUGUÊS QUANTO MAIS SER MILITAR... 
 "... se tratas os militares como civis, lembra-te que  vestir uma farda de militar é um dever patriótico que só as amélias, os inválidos e os órfãos não estão à altura, mas também quem é militar deve rever nos seus chefes categoria e para serem respeitados como tal, quando os militares vem nos seus chefes, directores e comandantes, lacaios destes políticos que perante qualquer ordem baixam a calcinha... os militares veem neste ministro um abrunho e um burgesso"                                    
                                            
  Tem mais espírito de Militar o mais pequeno desses Alunos que o pavão que pisa a passadeira. Talvez tenha sido a inveja que levou ao estúpido fim que o Branco da Defesa quis dar ao Colégio Militar.  
Aguiar Branco com a sua 'Capitoa açoriana' e o CEMFA
Porque o Hospital da Estrela foi vendido às escondidas, teve que retirar tudo para o Hospital da Força Aérea, agora baptizado das Forças Armadas, configurando-se situações tipo meter o Rossio na Rua da Betesga. E depois admiram-se que comecem a aparecer queixas, como esta que se segue:
.
"Excelentíssimos Senhores:
Com o devido respeito permitam que vos deixe algumas considerações de desagrado e algumas perguntas, as quais que gostaria de ver respondidas.
 O H.F.A. está um caos. Ninguém se entende, agora deixou de ser da F.Aérea e passou a geral, o que leva à constatação de que nem é carne nem é peixe.
Era suposto haver mais pessoal, dada a junção, mas dá-se o inverso. Despediram pessoal de todas as categorias incluindo médicos - anunciam-se mais saídas - e agora tudo está pior em termos de marcação de consultas e outros serviços.
Só alguns exemplos:
Em Ortopedia, para todo o universo de utentes, há 3 médicos. Então e os outros? Em Gastro depois de muito tempo fechada, abriu agora a consulta. Oftalmologia são meses de espera, Urologia, etc, etc, etc. O descontentamento é geral a todos os níveis, até médicos se lamentam.
Havia na Estrela a especialidade de cirurgia cardio toráxica mas só de vez em quando lá ia o médico. Agora, no Lumiar, não há essa especialidade. Pretendi marcar para cirurgia vascular na esperança de que pudesse ali apresentar o problema de um aneurisma abdominal que tenho. Só em Janeiro abrem as consultas e o médico ( que é só um ) só lá vai uma vez por mês. ( informação de quem me atendeu o telefone depois de horas e horas a tentar ser atendido ).
Mas então, foi para isto que se juntaram os hospitais militares num só? Que iluminado cérebro terá parido este aborto?. Será que consultaram os mais interessados, que são os doentes?. Se foi o atual MDN nada me admira porque, tal senhor, percebe tanto de FFAA como eu de um lagar de azeite, ele que nem recruta foi, e muito menos de serviços de saúde. Pessoa em que se nota forte tendência antimilitar não admirando, portanto, as decisões que vai tomando. É bom que se recorde que os hospitais militares foram constituídos para proporcionarem assistência a militares e suas famílias para a qual ( assistência ) neste momento se desconta 2.25% da pensão, sabendo-se que a partir de Janeiro passará a ser de 2.50%. E é esta assistência que me é proporcionada?. Agora que estou velho, cheio de mazelas, eu que jurei dar a vida pela Pátria, que fiz duas comissões no Ultramar, com uma carreira limpa com condecorações e louvores, sou assim tratado de modo tão vil e humilhante?.
Estou a fazer 80 anos, não tenho projetos de futuro nem quem dependa de mim, só gostaria, o que não será uma questão de gosto mas direito, que me fosse proporcionado um fim de vida digno.
No dia 3 de Setembro apresentei-me na urgência amparado a duas canadianas com uma crise de ciática. Fui medicado e fiz um RX, até aqui tudo certo. O pior foi que a Srª. Drª que me atendeu não soube interpretar o RX, lamentou-se de não estar ali uma colega de ortopedia que tinha ido almoçar. Receitou-me alguns medicamentos e mandou-me marcar uma consulta, a qual foi marcada para 25 de Outubro e porque havia uma vaga.
 De 3 de Setembro a 25 de Outubro com uma crise de ciática!!. Os Senhores aguentavam? Tive que resolver o problema no privado mas Senhores, NÃO É PARA AI QUE EU FAÇOS DESCONTOS!!!
Tenho imensas doenças:
glaucoma, faringite crónica, um pulmão parado, cardiopatia isquémica, hipertensão, gastrite erosiva, divertículos, coluna arrasada, artrite reumatoide, uma prótese num joelho e necessidade de implantação no outro; já fui operado 19 vezes e é esta assistência a que tenho direito?.
Com tanta espoliação que vai sendo feita à minha pensão ainda tenho que a emagrecer mais e recorrer ao privado para resolver os meus problemas de saúde?. Quando se diz que os militares têm tudo é necessário explicar bem: o militar só não paga os atos médicos no H.F.A. conforme  seu direito, pois para tal sofre os descontos mensais. Os familiares, com direito pelo militar, pagam todos os serviços de que usufruem e para levantarem os exames que façam têm que provar que os mesmos já estão pagos. Curiosamente a minha mulher, que é Funcionária Pública, que também tem desconto próprio no seu vencimento, está nas mesmas condições dos familiares dos outros militares.
Exmos. Senhores:
Este não é só o meu caso, é o de muitos camaradas que, como eu, dedicaram a sua vida à Pátria que, pelos visto, guiada pela mão de alguns incompetentes não me contempla.
P.S. - Como não considero que nada deste conteúdo seja de ordem confidencial e para que em democracia todos os atos devam ser claros, informo que esta carta irá ser divulgada por esta via.
Respeitosamente
Carlos Sousa da Silva Nuno
Sargento-Chefe reformado da F.Aérea"