segunda-feira, 17 de março de 2008

UNIDADES QUE FIZERAM A FORÇA AÉREA

BASE AÉREA Nº. 3 - TANCOS
--------------------------------------------- Uma vista da antiga Base
---------------------------------------------
  • ---- Situava-se a Base Aérea nº. 3 no Polígono de Tancos, entre Vila Nova da Barquinha e Constância, e entre estas Vilas, ficava o Castelo de Almourol, que funcionava como um maravilhoso ex-libris que convidava a uma visita.
  • ---- Esta Unidade foi fundada aos 27 dias do mês de Outubro de 1921, com o nome de Esquadrilha Mista de Treino e Depósito, sendo também nesse dia que ali aterraram, pela primeira vez, dois aviões Caudron G-3, pilotados respectivamente pelo Capitão Ribeiro da Fonseca, que viria a ser o 1º. Comandante da Unidade, e pelo Capitão Luis Gonzaga.
  • ---- No dia o1 de Janeiro de 1926, a Unidade passou a ser designada por Esquadrilha nº. 1 de Caça, adoptando desde então o Galgo como o seu símbolo.
  • ---- Em 28 de Outubro de 1927, a Unidade passou a ser o Grupo Independente de Aviação de Protecção e Combate, mas era mais conhecida por Grupo de Caça, sendo equipada com os modernos monoplanos de asa alta Morane Saulnier 3/MS 133, que foram considerados, ao tempo, como os melhores aviões de caça existentes .
  • ---- No dia 01 de Dezembro de 1937, recebeu o seu primeiro Estandarte. Era, nesta data, comandada pelo Major Piloto Aviador Francisco Higino Craveiro Lopes, que viria a ser o 1º. Inspector Geral de Aeronáutica... e, mais tarde, o Presidente da República Portuguesa e o 1º. Marechal da Força Aérea.
  • ---- Até ao dia 31 de Dezembro de 1938, manteve a designação de Grupo de Caça, mas entre 01 de Janeiro de 1939 e 29 de Outubro do mesmo ano, passou a chamar-se Base Aérea de Tancos... até que, no dia 30 de Outubro, adoptou oficialmente a designação de BASE AÉREA Nº. 3, que usou, orgulhosamente, até à data em que foi encerrada e entregue à tutela do Exército, para aí instalar a Base de Aviação Ligeira das Tropas Aerotransportadas do Exército, de apoio aos Páraquedistas.
  • ---- A Base Aérea nº. 3 teve como divisa a máxima latina RES NOM VERBA, significando que nela se praticavam "ACTOS E NÃO PALAVRAS", como forma de estar ao serviço da Pátria, mantendo esta conduta durante durante toda a sua existência, até à sua extinção.
  • ---- Por tudo o que a Base Aérea nº. 3 representou no universo das Forças Armadas Portuguesas, e até pelo facto de ter sido a Base mais antiga do País, aqueles que nela serviram nunca esquecem "a Quinta" - nome carinhoso porque era conhecida - porque enorme é a saudade que ficou, levando a que se afirme, com convicção, que A B.A.3 ÉTERNA!
  • ---- Voltaremos a falar desta Unidade, pois dela há muito para contar!

2 comentários:

Anónimo disse...

A fotografia aérea da unidade já é recente.
Antes do 'musgo' ela não era assim

Cumprimentos
Moreira

j disse...

foi aqui que tomei contacto a serio com as infernais maquinas voadoras." ju-52". decorria o ano de 1969. era seu comandante,coronel Barbeitos de Sousa. fui Cabo Especialista MMA. Cumprimentos.Raimundo.