quarta-feira, 20 de maio de 2009

Outros tempos...

...outras gentes, parece ser a sina da antiga Base Aérea nº. 3, nos dias de hoje rebatizada "Base Aérea de Tancos", ainda que não seja mais uma base aérea mas tão só um local para lançamento de páquedistas, seja em "relativo" ou em qualquer das modalidades da chamada "queda livre".
Poderiam os "Páras" desejar outro local mais conseguido que a antiga Base? Qual Arrepiado, qual carapuça! Estar ali é ouro sobre azul, pois fica-se ao pé de casa, deixando de ser necessário andarem viaturas a fazer-se ao caminho de um lado para o outro do Tejo!
Lançam-se lá no Arrepiado os "Catatuas", porque a esses até lhes faz bem andarem a pé. Sempre têm uma vista do castelo de Almourol, para depois contarem aos familiares que andaram a vêr o castelo do D. Gualdim Paes a partir de cima, do mesmo sítio onde deixaram rastos de medo desde o momento em que o largador lhes enfiou o pézinho no trazeiro e os lançou borda fora do avião!
Para mais, nos antigamentes da "Tropa" no Polígono, a Base até havia sido uma casa do Exército, pelo que o bom filho...
...e ninguém mandou a Força Aérea esquecer-se daquele ditado que diz que "fazer filhos em mulher alheia dá sempre mau resultado"! Era uma terra de outras gentes... e essas gentes quizeram voltar à casa mãe, como se fossem emigrantes no regresso a um lar... que esteve sempre em boas mãos e estava um "must" no momento da entrega
Nos tempos em que se ia até à Aringa comprar selos para as cartas para a Maria e uns copos para "matar" a sede que nos devorava naquele fim-de-mundo, havia sempre a possibilidade de encontrar o centauro do Comandante da Engenharia, que gostava se se mostrar como parte integrante de um animal nobre, talvez pela falta de nobreza que o caracterizava.
Recordo o papel ridículo de um "tipo" de militar que fazia gala em criar problemas para si e para os seus homens, quando ordenava que corressem com os "Páras" dali para fora... apenas porque estes não aceitavam ordens dadas por alguém montado num cavalo. "Quem quer mandar... mande como deve ser: DESMONTE!" - terá dito um "calhau" ao cavaleiro... da triste figura!
E o ridículo de alguém que se "orgulhava" de dizer aos seus Soldados, formados à porta da Engenharia, que "EPE" não queria dizer o que pensavam mas sim "ENTRAI, POBRES ESCRAVOS!"
Faz lembrar um célebrado Capitão da Base que, quando lhe solicitavam qualquer benefício a fazer nas infraestruturas da Unidade, costumava dizer: "Não sabem ainda que não há dinheiro para extravagâncias? Sabem o que quer dizer o lema da Base? REZA QUE NÃO HÁ VERBA!"... e o pessoal tinha que se contentar com tal resposta!
A Base também tinha os seus encantos, quanto a aberrações nas relações entre alguns iluminados e a plebe! O mesmo Oficial, que tinha também os Transportes Auto à sua responsabilidade, quando em determinada altura lhe pedi transporte para Tomar ou para Abrantes, onde teria autocarro de carreira para a minha Leiria, disse não haver lugar nos transportes da Unidade, mesmo estando eu a vêr que a viatura nem meia ia.
Eram outros tempos, outras gentes... outras formas de disciplina, que iam fazendo de
nós, Militares, homens capazes de saber ouvir um "NÃO" sem rispostar em nenhuma circunstância, porque havia uma coisa que se chamava DISCIPLINA, outra que dava pelo nome de EDUCAÇÃO CÍVICA, que era ensinada nas escolas e colocada em prática por cada um de nós.
Não havia vontade de esmurrar o nariz aos prepotentes do Reino? Havia! Não se acertavam contas de vez em quando? Talvez não tantas como seria necessário, confesso!
Ao fim e ao cabo, eram outros tempos, outras gentes, é certo, mas também uma outra forma de estar na vida, nada consentânea com aquilo que nos chegou depois desse Abril dos cravos rubros... que conseguiu levar à bancarrota a mística Militar de que estavamos imbuídos, tal como destruíu o conceito de "Família", vitimizada pelas amplas liberdades conquistadas por um Povo ávido de "novidades", no que à democracia concerne.
OUTROS TEMPOS... OUTRAS GENTES... OUTRAS GERAÇÕES!!!
Valeu a pena? Tudo vale a pena... - diz o poeta!

1 comentário:

Anónimo disse...

http://cohortevii.blogspot.com/2009_05_01_archive.html#5753419959332992428