sábado, 12 de setembro de 2009

B.A.3 - Uma Base com história

Muitas vezes me têm perguntado porque razão refiro sempre ter saudades da Base Aérea 3, uma vez que tenho uma Base "mesmo ao pé da porta", como é o caso da Base Aérea 5, de Monte Real, dado ser natural de Leiria. Costumo responder que "não há amor como o primeiro"... e porque foi em Tancos que recebi o meu quinhão de saudade, ao ser incorporado na Força Aérea, é esse facto determinante no que se refere a ser-me suscitado tal sentimento.
Posso dizer que assisti à inauguração da BA5, mas foi no GDACI que tive o primeiro contacto oficial com a FAP, uma vez que fui lá inspeccionado para o Serviço Militar, enquanto na Base de Tancos fui incorporado, fiz toda a instrucção Militar e jurei Bandeira. Também foi na Base Aérea 3 que fiz o meu curso.
Fui colocado na BA5 após regressar de Angola, mas os dois anos ali passados não me fizeram esquecer Tancos, mesmo que tenha sido também um tempo importante o que vivi... numa Base que era a antítese daquilo que se preconizava encontrar numa Unidade Militar cinco estrelas, algo tornado necessário para quem estava no meio castrense, como seja: CAMARADAGEM entre todas as classes, sem os indesejáveis separatismos entre especialidades que eram apanágio da Base de Monte Real, onde se vivia segundo as "castas", ao passo que em Tancos havia uma noção arreigada de que o espírito Militar e o espírito de Família não estavam dissociados! Era a casa enorme onde cabia toda a grande família da Força Aérea, porque também os outros, que à BA3 iam adir para efeitos da frequência de qualquer curso ou em missão de serviço, eram integrados nessa grande família!
Não estava arreigada no espírito de ninguém a convicção de que "A FORÇA AÉREA EXISTE PORQUE EXISTEM PILOTOS E AVIÕES!", como por vezes se ouvia dizer em Monte Real. Em Tancos também existiam aviões e Pilotos, mas existiam igualmente os Mecânicos de Material Aéreo e Terrestre, Electricistas, de Rádio, de Armamento, havia o pessoal de Controle, de Meteorologia ou Comunicações, para não falar nos Abastecimentos, nos Amanuenses, na Polícia Aérea, nos Bombeiros, nos Condutores, nos Clarins... e até nos Cozinheiro, bastante importantes para cozer as batatas que eram servidas à mesa de todos os outros, como importantes eram aqueles "fulanos" que limpavam a pista, a iluminavam, a conservavam... sendo que eram todas estas pessoas que permitiam que os aviões fossem para o ar, no cumprimento das missões que lhes eram cometidas, cientes de que todos tinham dado o seu contributo para o cumprimento da missão!
Era assim a Base Aérea nº. 3, que honrava por completo a sua divisa... e a Força Aérea de que se orgulhava ser uma parte importante.
Foram muitos os anos que deram àqueles que fizeram a Força Aérea Portuguesa motivos de sobra para se reverem na história que ajudaram a escrever. Muitos daqueles que um dia passaram os portões da Base, já hà muito foram para junto do Criador, pois é essa a natureza humana, mas nós, que ainda esperamos a nossa hora, não esquecemos aqueles que nos antecederam nos 88 anos de vida da nossa Base Aérea 3.
Esta Base é eterna... enquanto estiver guardada na nossa memória!

Sem comentários: