quinta-feira, 1 de outubro de 2009

OS PIONEIROS DE UMA AVIAÇÃO QUE NÃO CHEGOU A EXISTIR - II

Pipper Super-Cub L-21
2. PRIMEIRAS MEDIDAS TOMADAS PELO GENERAL ABRANCHES PINTO COMO MINISTRO DO EXÉRCITO
- Assumida a pasta ministerial do Exército, o General Abranches Pinto agiu de imediato no sentido da criação de uma Aviação Ligeira de Observação de Artilharia. Para isso, determinou:
"0 estudo e elaboração de um projecto de decreto-lei para a criação de uma aviação ligeira no Exército, com pilotos recrutados entre os oficiais de Artilharia voluntários (pílotos-observadores), ou provenientes de qualquer outra Arma, se tal fosse julgado conveniente pelo Ministério do Exército".
As revisões e as grandes reparações dos meios aéreos seriam realizadas, em princípio, nas Oficinas de Material Aeronáutico. A formação base dos pilotos-observadores e dos especialistas de conservação e manutenção dos aviões (apenas para pequenas reparações) eram asseguradas pela Aeronáutica Militar, mas a instrução de observação aérea dos pilotos-observadores era atribuída a centros de instrução do Exército. Era ainda prevista, como responsabilidade do Exército, "a construção e conservação de hangares, pistas e aeródromos especiais".
0 estudo e construção de uma pista e de um hangar no Polígono de Tiro da Escola Prática de Artilharia (EPA), em Vendas Novas, onde passaria a funcionar um centro de instrução de observação aérea "integrante da Formação Escolar da EPA".
Em 1952 é inaugurado, em Setembro, no Polígono de Tiro da EPA, o campo de aviação "General Abranches Pinto".
0 conceito da aviação ligeira pretendida para Exército evoluiu no sentido de uma aviação não confinada às missões de
"observação de artilharia", seguindo o modelo americano. 0 primeiro manual do Exército dos EUA relativo à sua Aviação (ligeira)
foi, entretanto, traduzido integralmente na EPA.
0 Exército recebeu dos EUA, ao abrigo do MIAP ("Mutual Defense and Assistance Pact"), 22 aviões "Piper Super-Cub" L-21 e um lote de sobressalentes, sendo 8 destes aviões atribuídos à EPA. Previa-se, para mais tarde, uma dotação de helicópteros.
É feito convite aos aspirantes a oficiais de Artilharia do Tirocínio (TAO) de 1951-52 e a oficiais subalternos de Infantaria e Cavalaria para a frequência dos Cursos de "Liaison Pilot Training" (treino de Piloto de Ligação), na Base Aérea de San Marcos Texas, e de "Army Aviation Ractics" (Tácticas da Aviação do Exército) na Escola de Aviação do Exército em Fort Sill Oklahoma. Estes dois cursos constituíam, desde 1950, a formação de base dos pilotos do Exército dos EUA.
Ainda em 1952, em Outubro, seguem para os EUA, os alferes de Artilharia Guilherme de Sousa Belchior Vieira e João António Leite Pacheco Rodrigues, que interromperam então o Estágio de Artilharia Anti-Aérea frequentado no Regimento de Artilharia Anti-Aérea de Queluz, e os tenentes Manuel José Lopes Cerqueira e Victorino de Azevedo Coutinho, respectivamente, de Cavalaria e Infantaria. Os alferes eram os dois primeiros classificados do seu Curso da Escola do Exército (tinham sido cinco os voluntários do TAO para os cursos nos EUA), o tenente Lopes Cerqueira possuía um certificado de piloto de "Gliders" obtido na Alemanha e o tenente Azevedo Coutínho possuía um certificado de piloto de aviões ligeiros.
Os oficiais nomeados não receberam qualquer tipo de instrução prévia ou de ensino de inglês técnico, nem sequer foram submetidos a uma inspecção médica específica em Portugal. Os dois alferes tiveram o seu "baptismo de voo" no avião "Super Constellation" da "TWA" que os transportou de Lisboa para Nova lorque, via Santa Maria, Gander (Terra Nova) e Boston... (CONTINUA)

Sem comentários: