sábado, 24 de abril de 2010

"ONDE ESTAVAS NO 25 DE ABRIL?"

Muitas vezes tenho pensado na resposta que daria à mais que batida pergunta "ONDE ESTAVAS NO 25 DE ABRIL?" e até já me vi a dar como resposta que andava por Moçambique, magicando como fazer novos Wiriamus, Muedas, Cassanges ou qualquer outra forma expedita capaz de tornar a guerra numa coisa mais "interessante" aos olhos daqueles que fazem uma determinada corrente de opinião, talvez porque tenha constatado que esses, depois que a guerra terminou, se tornaram detratores da mesma, moralistas capazes de chamar aqueles que por lá andaram de tudo e mais alguma coisa... acredito que apenas porque a sua cobardia necessitaria de justificação e esta surgiu-lhes depois que o 25 de Abril acabou vencedor d as agruras da guerra.
Sei que o Baptista Bastos não fez a pergunta para ouvir uma resposta destas, mas também eu não nasci para andar a penar em África... e tive de o fazer por cerca de 12 anos, que não estou agora a classificar de bons ou maus, porque tiveram de tudo e não é agora o momento para dissecar tal situação.
No dia 25 de Abril estava em Moçambique, efectivamente, mais concretamente na bela Nampula, depois de ter estado algum tempo em "estágio" no Niassa, mais concretamente em Nova Freixo - hoje Cuamba -, havendo ainda a registar uma meteórica mas importante passagem por Lourenço Marques.
Apercebi-me de que algo não estaria bem quando vi o Exército a montar um prímetro de segurança à zona Militar da cidade, permitindo apenas a entrada nesse perímetro aos militares fardados, sem que alguém desse qualquer explicação sobre o assunto. Como havia ido à Manutenção Militar, retirei-me e fui a casa levar alguns mantimentos que havia comprado, indo dali para a Direcção de Obras nº. 2 de Delegação das Infras da Força Aérea, onde prestava serviço. Informei o meu chefe do que estava a acontecer e ele, sorrindo, apenas disse - "Já aconteceu!", o que me levou a perguntar-lhe o que aconteceu realmente... mas recebendo como resposta um "vá para casa e se tem um bom rádio ligue para a Metrópole, que logo saberá!". Assim fiz.
Sintonizando a Emissora Nacional, apercebo que se tocava o "E depois do Adeus", do Paulo de Carvalho, algumas baladas do Zeca Afonso, entre elas a "Grândola, vila morena" e algumas desconhecidas músicas de intervenção... até que a notícia se torna mais coerente: O GOVERNO CAÍRA, após uma revolta militar protagonizada por um "Movimento das Forças Armadas ou dos Capitães", encabeçado pelos Generais Spínola e Costa Gomes. Ouvi também o nome de Galvão de Melo e Diogo Neto, mas este último ainda o tinha visto na manhã do dia 25, dirigindo-se para o "seu" FIAT G-91, com que costumava passear-se por Moçambique, quando as conspirações revolucionárias lhe davam tempo para o fazer.
Não senti pena de não andar a passear a G-3 enfeitada com cravos vermelhos, em primeiro lugar porque não gosto da cor, que me lembra demasiado os comunistas, o Benfica... e eu sou do Sporting, ou o sangue dos companheiros mortos na defesa da Pátria. Em segundo lugar, porque julgo que toda aquela manifestação de folclore era muito bem o prenúncio de um descalabro no prestígio das Forças Armadas, que eram aclamadas no momento mas viriam a tornar-se algo a abater, porque os comunistas iriam colocar o país a ferro e a fogo, porque a União Soviética tinha ali a sua oportunidade para criar mais um satélite... e a Espanha iria caír logo a seguir, pensava eu.
Infelizmente e contra aquilo que era o meu desejo mais sincero, acabei por ter razão em algumas das minhas premonições... e as Forças Armadas estão hoje cada vez mais desacreditadas, apesar de andarem a vender o seu potencial belicista a quem mais dá. Ser antigo Combatente é anátema para determinada franja da sociedade... e até muitos daqueles que fizeram a revolução têm sofrido o opróbio do ostracismo, porque não quizeram abraçar nenhuma posição socializante... e esta é a posição que ficou na mó de cima no deve e haver do 25 de Abril!
Dizem ser isto consequência da dita democracia...

1 comentário:

caçador disse...

a ainda bem que o rosa coutinho já foi desta para outra melhor mas ainda faltam muitos meu e-mail a g.necho@hotmail.com assim como alguns vermelhos ainda andao por ai mas nao sao benfiquistas eu sou benfica sou ser humano ninguem a perfeito e fui guilherme