quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

SÁ CARNEIRO... COMO MORREU? CRIME?

No local do acidente, em Camarate

No dia 04 de Dezembro de 1980, logo após levantar voo do Aeroporto de Lisboa, com destino ao Porto, despenhou-se sobre Camarate o avião CESNA que transportava o então Primeiro Ministro Francisco de Sá Carneiro e acompanheira Snu Abecassis; o Ministro da Defesa Adelino Amaro da Costa e a esposa Manuela Amaro da Costa; o Chefe de Gabinete António Patrício Gouveia. A aeronave era pilotada por Jorge Albuquerque e tinha Alfredo de Sousa como co-piloto e estava ao serviço da Aliança Democrática, que estava empenhada na eleição presidencial do General Soares Carneiro, que iria ter, nessa noite, um comício no Porto.
Pouco depois de descolar, houve uma explosão e o avião, já a arder e a deixar um rasto de detritos incandescentes, embateu nuns cabos de alta tensão junto ao Bairro das Fontaínhas, perdeu velocidade e despenhou-se sobre uma casa em Camarate, tendo morrido todos os ocupantes do avião e uma pessoa que estava na casa sobre a qual caíu.
O inquérito perliminar feito pela Judiciária, sobre a égide do Ministério Publico, instaurado na própria noite e concluído em 09 de Outubro de 1981, afirma não haver indícios de crime, devendo aguardar-se a produção de melhor prova.
No dia 12 de Outubro o procurador geral da República determiniou o seguimento das investigações em "inquérito público" e a primeira Comissão Parlamentar foi então instituída, tendo terminado os seus trabalhos a 15 de Junho de 1983 e com os resultados a transitarem do Ministério Público para o Juiz de Instrução Criminal... passando a Polícia Judiciáruia a actuar na investigação a partir de 08 de Dezembro de 2004 - APENAS 24 ANOS DEPOIS DA QUEDA DO AVIÃO!
O Relatório da Comissão Multidisciplinar sobre a tragédia de Camarate, as conclusões apontam para a tese de SABOTAGEM, sendo defendidas pela maioria PSD/CDS-PP.
A Inspecção Geral de Finanças efectuou uma auditoria ao Fundo de Defesa Militar do Ultramar entre 1974 e 1981. Neste documento é revelado que o então Ministro da Defesa Adelino Amaro da Costa havia solicitado, dois dias antes do acidente, "que o Gabinete do Estado Maior das Forças Armadas se dignasse informar com urgência o que entendesse por conveniente sobre a exportação de material de guerra para o Irão", no eclodir do conflito entre aquele país e o Iraque. O ofício do Ministro tem a data de 02 de Dezembro de 1980... morrendo Adelino Amaro da Costa no dia 04 de Dezembro... sintomático.
A auditoria diz-nos que as investigações reforçam não só a ideia de um saco azul de milhões de contos desviados, à luz dos valores actuais, mas também foi exigido por Amaro da Costa ser informado sobre o que se passava com a exportação de material de armamento, impedindo o Ministro que se efectuasse a venda de material a alguns países como a Guatemala, a Argentina ou a Indonésia. Os auditores concluíram que tudo levava a crêr ter seguido para o Irão diverso material de guerra, dado o livro de registo da correspondência classificada conter, a 09 de Dezembro de 1980, uma comunicação da Direcção Nacional do Armamento - EMGFA que alude à exportação de material... para construção. O ofício em causa é datado de 05 de Dezembro, mas apenas terá dado entrada no livro de registos de correspondência classificada do EMGFA no dia 09 de Dezembro. Isto foi confirmado em 22 de Janeiro de 1981.
Há muitas pontas soltas, pelo que a suspeita de assassinato continua a ter lógica, dado haver mais que motivos para que Amaro da Costa fosse exterminado. Os outros foram vítimas circunstanciais, mortos não programados que apenas o foram porque estavam no lugar errado à hora do atentado.
Mas... quem mandou efectuar a sabotagem? Será que Sá Carneiro foi mesmo vítima de complô contra ele ou foi apanhado no meio?
É tempo de se saber o que aconteceu naquela noite. O Povo agradeceria que tal evento tivesse uma explicação plausível!

2 comentários:

jrcontreiras1@hotmail.com disse...

Meus amigos,
Fui brevetado na Base Aérea 3 após o Curso Avançado de Caça.
Depois fiz serviço na Base como alferes piloto aviador miliciano,durante cerca de 5 anos.
Fiz todo o género de missões e conheço muito bem o que é voar as condições e as causas que mais provocam acidentes.
A queda do avião com Sá Carneiro foi muito correctamente analizada no Primeiro Relatório feito por peritos de Aeronáutica(nacionais e estrangeiros) e é muito esclarecedor sobre as principais causas do acidente. E por isso foi,como devia ser,arquivado pelas autoridades judiciais reponsáveis.
Também mais tarde li o relatório da Terceira Comissão da Assembleia da República e ainda fiquei mais esclarecido.
Foi sem dúvida um acidente,como tantos que acontecem com aviões.
Depois de lerem estes dois documentos,só pessoas com intenções políticas e não de saber a VERDADE é que podem dizer que foi um "Atentado".
Por favor leiam estes 2 documentos: o Primeiro Relatório feito pelos peritos aeronáuticos e o Relatório da Terceira Comissão Parlamentar. Esses 2 documentos não deixam qualquer dúvida.
É uma falta de bom senso,ignorância,ou politiquice o que aconteceu e ainda está a acontecer com este assunto que deveria ter sido encerrado logo.
Nenhuma "Comissão" honesta e imparcial poderá chegar à conclusão que foi crime.
A Realidade é uma coisa o ter fé,ou acreditar em fantasias é outra. Pois na realidade Sá Carneiro morreu num acidente porque o piloto cometeu erros gravíssimos e o avião não estava em condições de voar.
Na Aviação e na Vida temos que ser realistas e não fantasistas.
Felicito todos os que trabalharam ou ainda trabalham na Base Aérea 3 em Tancos.
José Contreiras

jrcontreiras1@hotmail.com disse...

Gostaria que o responsável do Blogue me respondesse e se deseja algum esclarecimento,pois estou,inteiramente,à sua disposição para lhe dar todas as informações que disponho sobre o Acidente de Sá Carneiro.
O meu endereço é: jrcontreiras@gmail.com